Marcadores

domingo, 27 de dezembro de 2009

Pedido em trovas






Pedido em trovas

I

Escrevi no caderninho
Fiz um secreto pedido
A Noel mandei recadinho
Ter amor correspondido.

II

Não peço prata nem ouro
Nem vestidos de cetim
Quero só ter um tesouro
Saber-te perto de mim.

III

Fiz tudo bem direitinho
Fui moça bem educada
Mereço bom presentinho
Só teu amor e mais nada.

IV

Cumpri muitos compromissos
Fiz lição corretamente
Fui aplicada e por isso
Mereço agora presente

V

Então com força e energia
Faço pedido a Papai Noel
Que me conceda a alegria
Também rogo ao Pai do Céu!

VI

Quero ter você comigo
Não importa em qual estação
Importante é estar contigo
Presente ao meu coração!














segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

os Amigos do Recanto as melhores festas!



Aos Amigos do Recanto as melhores festas!

Interagir, trocas afáveis, aprendizado, conhecimento, amizades ainda que virtuais. Fortalecimento das letras e da fremente vontade de escrever, apoio a quem se inicia no mundo da escrita, incentivo a publicações, acréscimo na auto-estima, um rol infindável de boas razões, marcas positivas que encontramos aqui no RECANTO das LETRAS. Em quase dois anos tive um excepcional adicionar de conteúdo, experiência no meu imensurável mundo voltado à escrita. Avancei e avancei. Amadureci e amadureci. E muito por conta dessa partilha literária e poética encontrada aqui. Não pretendo citar nomes, há os muito próximos virtualmente, há aos mais afastados, não menos importantes, há os leitores simplesmente, tantos, que identificados, deixam de ser anônimos e marcam ainda que com uma única leitura. Há aqueles de quem já sentimos falta quando não aparecem na nossa ESCRIVANINHA ou quando não damos uma passadinha lá para conferir as novidades.
Quero me redimir com umas tantas queridas e outros tantos queridos verdadeiramente prezados, pela ausência, o tempo é meu carrasco. Publico e leio em meio a processos de compras, licitações, pagamentos, empenhos, diárias, suprimentos de fundos e toda uma tralha financeira dessa ordem. É um convívio meio louco e descabido da Administradora dos números e finanças com a poetiza sonhadora... Uma louca viagem.
Mas estou cá para um confraternizar de Natal com todos os amigos deste adorável Recanto. Vim trazer meu abraço, manifestação impressa de carinho, expressão do meu afeto por todos daqui. O que importa são a pureza e honestidade da intenção. Por isso meus votos de Natal com Paz, família reunida em torno do momento de agradecer, pelo tanto que recebemos, por todo o milagre que diariamente se faz em nossas vidas, por acordar, pela permissão de passar por esse mundo, de poder acrescentar algo ao irmão, evoluir enquanto humano. Natal tempo de Glória, de perdão.
Melhor que isso, vibrar e agir por um mundo mais justo, com políticos mais comprometidos com seus eleitores, com mais ações de cidadania, com decisões que de fato visem à preservação da água, do planeta e de todos os seres. Um Ano Novo mais auspicioso, com muitas e melhores novidades! Para nós do RECANTO e para todo o mundo!

Um FIB de Natal - VIM.....




Vim

Para
Dizer
Desejar
Um belo NATAL
A todos deste afável CANTO.

sábado, 12 de dezembro de 2009





Tautotrix

Abraçar

Anseio acolher
Abrigando a alma aflita
Afetivo agasalho.



Dia especial....desejo o melhor para você!!!!!
com amor,
mamãe

Tássia (Tautotrix)





Tássia (Tautotrix)

Tem tradução,
Talento
Teu tempo traduz: tenacidade!

Tássia marota




Tássia marota

Menina de ontem, frágil e pequenina.
Bebê gracioso, de miúdo, até quebrou.
Saúde delicada, por muitas dores passou.

De repente se faz grande, maior do que aparenta.
Cresceu forte, decidida, em tudo que faz é brilhante.
Madura antes do tempo, um precioso diamante.

Inquieta, marota e criativa, a cada dia se reinventa.


Exemplo de pessoa, TÁSSIA: pequena grande garota!

Trovinhas de Parabéns!





Trovinhas de Parabéns!

Parabéns felicidade!
Dia feliz muito abençoado.
Mais um ano, nova idade.
Teu ser de amor agraciado!


Desejo-te com carinho
Saúde, paz, realização.
Sucesso no teu caminho
Muito amor no coração!


Ontem era uma menina
Hoje mulher aguerrida
Grande tu és, mas pequenina.
Gigante, enfrentando a vida!


Orgulho sei, não é bom ter.
Mas não nego, me faz bem.
Ter-te filha, tua mãe ser.
Muito grata a Deus Amém!

Tássia em Acróstico




Tássia em Acróstico

Tua vinda encheu-me de alegria
Abençoada sejas tu, tua vida, sempre!
Sorte permeie teus caminhos, suavizando teus pés,
Sempre te acompanhe o Deus dos justos e seus Anjos
Indicando o melhor que tu mereceres.
Amor permanente na tua vida, aquilo que nos move norte dos dias.

Tássia - POETRIX




Tássia - POETRIX

Tua letra
Teu traduzir
Tem garra tem Luz.

Pequena grande garota - homenagem....





Pequena grande garota

Afaga minha alma o teu existir, apraz-me o coração a tua presença,regozijo com os laços que nos unem,alegro-me por teres vindo para mim, para minha vida, por ter sido o veículo a te trazer para a experiência e aprendizado desta existência. Nem sempre cor - de - rosa os laços que nos unem falam por si. É meu maior motivo e presente.
Se aniversario no Natal, vieste também em dezembro, num dezembro cheinho se expectativas de 1983. E lá se vão vinte e seis aninhos.
Quem disse que aparência não engana? Contigo é bem assim, aparente fragilidade física, pequenina, miudinha (parafraseando Kid Abelha, “... não se parece nada comigo.”), mas logo ao primeiro contato quem não nota a mulher segura e decidida que és? Quando te cobras tanto, sofres com certeza, mas os teus resultados são sempre surpreendentes. É certo que nada vem fácil assim para ti, tuas conquistas sempre são permeadas de luta, mas isso te faz cada dia mais uma guerreira. E Vencedora. Sem bolas de cristal, sei que serás muito mais feliz com teus amores, tuas aspirações, do que eu mesma fui ou sou. Não que eu não tenha sido, ou seja, mas tens intrínsecos uns traços, características de luta mais forte e bem traçados e delineados que os meus. God bless you!
Tua personalidade forte te faz conduzir quase sempre tudo acertadamente. E quanta razão. Excesso de praticidade.Coerência.Isso é muito bacana na tua pessoa.Sei que plantei um pouquinho em ti de muitas coisas boas,isso me faz bem. Parece que nesse quesito cumpri com louvor a tarefa. Alguns detalhes práticos vieram com o tempo e a menininha desorganizada e bagunceira melhorou muito. Nada como a prática da vida. Nesse quesito bati muito a cabeça.
Enfim, nenhum presente que te desse me faria tão feliz como a felicidade que sinto por ser tua mãe. E por seres minha filha. Cada ano teu, é um presente para mim. E nada que eu te desejasse ardentemente excluiria muita felicidade, realizações, saúde, sucesso, amor, paz, e tantos desejos mais que vibro para ti.
Hás que ser feliz!
Eu já sou por ti!
Pequena grande garota!

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Um presente de Natal - Cartinha





Um presente de Natal (carta)- (EC)

Hoje iniciei dezembro pensando em nós. Pensando no tempo, aquele tempo que deixamos lá atrás, todinho por nós conquistado. A minha espera por ti. O tempo sozinha que elaborava tua vinda, a tão ansiada aparição. Revi por ti o tempo que levaste até me convencer de nós.Do quanto éramos possíveis. E divaguei por entre o prazo de validade que vivemos em plena harmonia, pelo que o estendemos. Então fechei os olhos...
Respirei, retirei do rosto os óculos, chorei...
Chorei tua ausência, não só o armário vazio, a cama arrumada, o corpo seco, desidratado de amor. Chorei pelas flores que pensamos e plantamos juntos, que ao estender os olhos pela janela, são lindas, alegres, e não combinam com nossa decisão de sermos sós.
Por isso vim até o computador e decidi te escrever esse e-mail, “carta-e-mail” (avancei na tecnologia). O primeiro em quase um ano que te foste.Hoje sei tão pouco de ti. És vazio em mim. Vazio de mim. Afastei o lixeiro ao lado da mesa, coloquei primeiro o medo, medo que tu não me compreendas, depois coloquei algumas mágoas, não todas, mas lá, no lixeirinho fizeram companhia um para o outro: certo receio, uma boa dose de orgulho, e fechei a tampa. Pus até um peso em cima. Assim me senti mais segura.Agora parecia mais limpa.
E com certo conforto para me dizer para ti. Folga no tumultuado coração.
Na cozinha pego um café bem forte e venho, é a hora da minha verdade. De me contar sem vestes ou prisões para ti. Peço, vai até o fim. Não para não, não cansa, persiste.
Não interrompe essa leitura, deixa que minhas palavras cheguem gentis, honestas até teu coração.
O meu é saudoso do teu. Confesso.
Não é um pedido, aqui é um refletir, apenas querer te contar que a falta é um grande conjunto vazio, quem sabe infinito. Uma casa sem sombras,sons, ausente de cores.As cores tuas os teus sons.
Aqui estou desprovida de sentimentos ruins. Já os pus fora. Vim para te dizer que o tempo tem operado coisas boas significativas em mim e quero partilhar contigo.
Dizer-te que tuas reclamações não foram em vão. Hoje me amo mais, cuido do conteúdo e do invólucro. Os ajustes que tu rogavas, eu os fiz pela dor. Doeram muito, mas a vontade de mudar é que me moveu. De certo terás orgulho quando me reencontrares, Não porque sou uma mulher magra, saudável, que cuida do corpo, não porque faço análise, controlo a depressão, o medo, não porque durmo mais e melhor, não também porque me desfiz de alguns pesos interiores e exteriores. Não só por essas razões., mas por um rol de providências que tomei nos meus sentimentos. Agora são melhores, mais amáveis e seguros. Agora efetivamente sei quem sou. Em mim há uma lucidez que se impõe e uma mulher mais centrada. Não, mas não era isso que queria efetivamente te dizer. É mais. Muito mais. É que anseio por saber das tuas mudanças aquelas que te cobrava as tuas melhoras, ainda que poucas eram de algum incômodo na relação. Anseio simplesmente saber de ti. Como estás?Como vás?Como passaram tantos dias, como foi esse transcorrer?Desde o Natal passado quando te fostes. Como estás?
Nunca mais e por opção, por todo o processo quis ter com alguém que fosse me falar de ti. Precisava desse real isolamento. Eu precisava. Precisava me sentir péssima, a pior pessoa abandonada do mundo. Depois precisava me sentir livre, sem nada, ninguém a cobrar, depois precisava me sentir bem, dona da própria vida. Eu precisava. Era mister.
Precisava me fazer feliz. Ter um caso de amor comigo. Amar meu cheiro, minhas rugas, minhas aptidões, dificuldades. Amar a pessoa que sou, amar meu sorriso,amar minha existência, se assim não fosse, não sobreviveria.
Hoje, 01 de dezembro, tive um lampejo de tristeza, quando pensei no Natal triste que tive, que tivemos, quando me presenteaste com a tua partida. Era necessária, eu sei. Hoje é límpido e perfeito isso para mim.
Acima das expectativas esse será de certo um mês bom, eu sinto, eu sei. Eu nos prometo.
Preciso só te falar que paralelo a tudo que transcorreu não houve nenhum dia nesses quase 365 decorridos que eu não tivesse me socorrido da saudade que embalou cada noite sem ti.
Estou feliz. Porque vou poder te contar isso, e te dizer o quanto importas para mim. O quanto esse tempo me fez ver isso. Não peço que volte, venha, nem chance. Isso é febril e dolorido. Jamais pediria. Quero e me reconheças novamente, me reencontres aquela do passado por quem te apaixonaste e a de hoje que certamente também te fará apaixonar. Não sei se é proposta( isso é coisa do rei), nem sei se é só saudade de saber “ como vai você” que também é coisa do rei. Sei que é apenas e tão somente um imenso indescritível desejo de recomeçar. E isso inclui a possibilidade de nós.
Se chegou até aqui, é porque estou, estamos começando a trilhar um novo caminho, esse é um passo difícil. Conceder algo. Seja lá o que for um mínimo tempo que seja para escrever, ler. Quem sabe esse caminho nos reconduzirá a um encontro. A vida tem disso.
O Natal triste ficou para trás.

Belém, Cidade das Mangueiras, de um país que chama Pará, em 01 de dezembro de 2009.

A flor...


Este texto faz parte do Exercício Criativo - Um Infeliz Natal.
Saiba mais, conheça os outros textos: http://encantodasletras.50webs.com/infeliznatal.htm

Soneto de Natal





Soneto de Natal

Dezembro chega o menino simbolizando.
Paz a todos os povos, representa a união.
No renovar da espera o tempo apresentando
Vale o refletir profundo, ouvir coração.

Alegrar por ele, exemplo manifestado.
Amou integralmente sem reserva ou pudor.
Para nós lições deixou em todo o seu legado.
Amai-vos uns aos outros condoendo da dor.


Foi justo, reto e leal, o pago foi a traição.
Ainda assim nos amou com amor verdadeiro
Falou-nos: Perdoai eles não sabem o que fazem.


É nosso maior exemplo, norte a um povo inteiro.
Por isso vale ele lembrar com emoção.
É Jesus Cristo, amor, fé que não se desfazem!

Cíclico Natal - INDRISO




Cíclico Natal


Um ciclo se fecha encerrando,
Há um tempo que vem renovado
Seguimos virando páginas, decorrendo.

Natal chega meio às agruras, esperançado.
Trás a alma esquecida, nuances reavivados.
Aroma de boas novas o menino vem trazendo.

O mundo austero quebra um naco da dureza.


Crer é a saída, para não se afogar na tristeza.

Vem _ Fib de Natal



Vem


Chega

Nascendo

Traz ao mundo

Humanas lições

Perfeito exemplo de vivência.

sábado, 5 de dezembro de 2009

Amo - Um FIB



Amo

Tanto
Assim
Que nem sei
Como traduzir
Exprimir, expressar o sentir.

Gérbera - Acrostrix






Gérbera

GERminando sonhos multicores
BEla sedução em pétalas
RAro contemplar...

Haicai 197




Haicai 197

Ar e suavidade
Tempo para reflexão
Alentada paz.



FIBHAICAI


Chove ao fim da tarde
Amenizando o calor
Típico dezembro.


É
Tempo
De inverno
Na região
Vem com o Natal
Mitigar desesperança.

Natal, um POETRIX




Natal

Aportar de sonhos
Expectar a paz
Trégua a o coração...

Natividade - Tautotrix




Natividade

Natal
Nascimento
Notável novidade.



Navidad

NAsceu para que houvesse paz
VIndo pleno de amor,
DADiva do Pai, para nós...

Dezembro Chegou






Dezembro chegou...


Demorei tanto a compreender alguma conexão, ou coincidência que seja em minha vida no que refere ao Natal, se é que hoje já entendo. Penso que não. Apenas estou mais leve, e administro minhas incompreensões e tantas frustrações. Ao crescer, uma certa tristeza me invadia , nasci em meio ao Natal, e tentava correlacionar isso. Achei sempre a data, algo de triste e carregava esta tristeza para o meu aniversário. Foi assim por muito tempo. Queria saber o porque da suposta “ coincidência”.
Mais madura, entendo o Natal como lindo, vendo com a visão religiosa, a origem de tudo, o nascimento, e a vontade de Deus, através do seu filho pela paz entre os homens. A grande razão de tudo. E não fico mais a relacionar com o meu natalício.Contemporizei , relativizei.
O vejo como tempo de reflexão, o que não nos impede de refletir sempre. Mas a mim parece que os corações, ainda que os mais duros e frios, ficam um pouco, mas abrandados. Mesmo que temporariamente.
Sempre, mais ainda nessa época emchemo-nos de otimismo e bradamos que queremos um mundo novo, como “IMAGINE” de John Lenon, hoje com esse avanço avassalador da destruição do Planeta, queremos clamar! Cuidem! É necessário, primordial para a sobrevivência da espécie! Mas tão pouco nos dignamos a fazer.
É, Chegou o Natal, o fim de mais um Ano e não quero ser tão pessimista que não possa antever que algo melhorará, nem tão otimista que será um novo mundo, sem injustiças, danos, maus e bons se debatendo. Não. Não vou arriscar tanto, nem me entristecer tanto. Alegre, vou reconhecer que houveram muitas coisas bacanas, há muito o que agradecer particularmente. Muito mesmo. Penso que ser grata sempre é essencial.
A Deus vou pedir sim, pela paz em especial e por tempos melhores. E procurar fazer a minha parte, que ele me conceda lucidez, sensibilidade, tudo que eu precisar para descobrir formas de ajudar o mundo a ser melhor, ainda que seja uma pequenina porção, que eu possa contribuir, para o bem, pela paz, em particular pelo amor entre os homens e o amor pelo planeta.
Vai ser um Bom Natal. Quero estar conectada com o universo nesse período. É afinal o meu mês. Que seja bom para todos nós!

Sobre publicar - um devaneio


Ando maturando,
Apreciando em pensamento os detalhes. Imaginando, visualizando as impressões (em ambos os sentidos). Idealizando. Curtindo. Muito engraçado isso.
Já passeio pela virtualidade poética há algum tempo, são diversos sites, Blogs, participações em Fórum de criações coletivas, onde encontro, inteiração, troca, aprendizado, prática e tantas coisas mais.
Sou do mundo da Poética Virtual, e agora, sem planejada intenção virá uma publicação em duas Antologias nas quais inscrevi meus textos, mas confesso sem muitas pretensões. Só para testar.
E a sensação de ter isso impresso em um Livro, é muito boa, muito especial.
Começou a aquecer meus sonhos antigos, e ando assim sentindo as minúcias da sensação de passar por isso, tipo degustando com muita parcimônia todo a essa novidade.
E vocês não sabem, tem um sabor muito bom. Muito. Inenarrável eu diria.
Indescritível.
Um texto, algo que saiu do meu inspirar, pesquisar, palavras e idéias que fluíram, que constarão impressas, encadernadas, textura do papel, nuances entre o preto e o branco, cheiro, aroma de obra, volume, manuseio, lugar na estante, nos sentimentos, tudo isso é incrivelmente bom.
Tudo tem um que de especial, afinal trata-se de escritos com a marca da regionalidade que permeia grande parte do que produzo literariamente. Quase uma grife minha, Amazônida, Parauara, Nortista, coisas das quais sei falar e faço com prazer. As escolhas foram especiais. Acertadas.
Oferto e reparto minha alegria com cada leitor que conquistei, cada amigo poeta, escritor, todos uns queridos, que me incentivam, sugerem, corrigem , ensinam. Só posso ser grata. E dividir. Comemorar juntos. Um brinde a alegria de publicar!!

domingo, 29 de novembro de 2009

Ilusão - Pirâmide de FIBS




Toca
Soa
O fone
O som teu
Anseio pressinto
Será que és tu? Tua voz escuto...

Não
Não é
Errei
Delirei
Engano sonhei...
Saudade que faz o imaginar...


Roseane Ferreira Pirâmide de Fibs

Saudade - Um FIB invertido............




Guardo de ti os melhores risos
A voz grave, forte.
Entre o quente
E o doce
Sinto o
Gosto
da
falta
De ti
Presente.
Mesmo que distante
Guardo de ti dias de verão.


Roseane Ferreira (Fib invertido)

Silencia - Poetrix



Silencia

Cala
Negando alegria
So_negando sonhos.

Um rol de " Sins" - POETRIX



Um Rol de sins......

Sim

Quis teu sim
Simples assim
Tive o não, por fim.


Sim

Portas abertas
Destravadas
Escancarado coração.


Sim

Janelas ao vento
Voejando cortinas
Lugar de beija-flores.


Sim

Repleto de anseios
Sem rimas ou disfarces
Armas de sorrisos.


Sim

Desmistificar
Olhar no horizonte
Alcançando infinito.

A plenitude do encontro - Sobre rios.......




A PLENITUDE DO ENCONTRO

Como começa o beijo?
Quem inicia?

Começa qual provocação.
A dança do seduzir.
ELA exubera convidativa...
ELE, majestoso, estende-se frente à dama, num passeio largo, grandioso atrativo, próprio de sua natureza. Pertubadoramente tentador.
ELE, natural, rebuliçando, por vezes revoltoso, arredio, quase arrebentação.
ELA, ah, postura impecável, austera, larga, atraente, cheia de tantas peculiaridades.
Eivada de tradições, impossível não vê-la, querer se aproximar, e curiosamente saber do seu passado de tantas histórias, Marcas e marcos, uma longa trajetória e vida...

E ELE?
Não perde para ELA, não fica atrás, enche, encharca nossos olhos, é forte e emocional, é arrebatador, apaixonante... um gigante.Um ícone, entre os seus é o de maior importância, atrativo, objeto até mesmo de cobiça.....

São partes, completam-se. Complementam-se. Constituem uma primorosa pintura. Aos olhos de qualquer artista são oferta perfeita e certa de inspiração.
São belos.
Harmônicos.

E ao encontrarem-se, entreolharem-se, nos ofertam uma das mais surreais imagens aos olhos já vista. Acasalam-se. Dançam a dança das tradições, revolvem toda á mágoa - dor de um povo sofredor, e arrastam-se ao som do Batuque, da dança-lamento, da marca de negro, juntos dançam aos nossos olhos o Marabaixo...
Ai roubam nossas forças, retiram nossas lágrimas e perpetuam-se em cada um de nossos olhares.
E rodam que rodam as saias... Calor e sensualidade, misteriosa emoção...
Então nos quedamos a esse encontro, perplexos...
Atônitos, pasmados,
Silentes...

Indescritível encontrar.


O Rio e a Fortaleza,
A Fortaleza e o Rio...

O Rio Amazonas e a
A Fortaleza de São José de Macapá.


# Inspiração a partir de uma foto, no Orkut de um amigo de Macapá, dessa Pintura - paisagem. A Fortaleza de S. José de Macapá e o Rio que a beija, o Amazonas.

#Na foto a filha, em recente estada em Macapá, montagem minha.

Previsões quase certeiras - um conto





Previsões quase certeiras (EC)


Antevi tanta coisa, sem bola de cristal. Previ o que era óbvio, depois eu soube disso. Intuía o que de nós se aproximava. Sentia por nós. Pressagiava o encaminhar dos fatos. A tua, a minha ausência de ti. Prenúncio de intenso vazio. Lacunas.
Previra intimamente que acaso a partida era eu quem poria os pés fora daquela ilusão, daquele engano, daquele rio de promessas que se perdia num oceano silente, dentro de cada um de nós.
Em mim tinha uma inarredável ebulição, um turbilhão de sonhos, vontades postas na gaveta do criado-mudo, que lá emudeciam, mas tinham seu choro vazado por entre as frestas das madeiras da mobília, sentia escorrer, verter as suas dores.
O tempo se fez carrasco de uma decisão, horas vazias de sentido, relógios sem ponteiros, que fincam, ferem e avisam a cada obsoleto minuto. Somente um alento embotava ou cobria com fino véu toda aquela agonia quando tu, disposto ao breve romper das tuas próprias clausuras te permitias à entrega do corpo que se debate em irrefreável desejo. Naquela hora então pareciam inverossímeis todas as penitências, castigos que impúnhamos a nós dois e aos nossos sentimentos. Uma trégua que se dava sempre entre dias mornos e tardes acaloradas de um domingo qualquer.
Pressupus a proximidade da quebra, do desacorrentar rumo a tantas perspectivas, abismos intransponíveis eram poucos diante do quanto já éramos estranhos a nós mesmos. Eu, estranha de mim, enigmática para ti. Tu estranho absolutamente alheio a ti e a mim. Já não nos reconhecíamos enquanto essências, e tudo que imaginávamos saber um do outro, todas as afinidades supostas, toda a intentada experiência, os laços fortes que nos uniam , eram agora monstros que dormiam em nossas camas, eram nossas próprias sombras, que horas se desencaixavam, desprendiam da imagem que tínhamos construído um do outro e de nós mesmos.
Quebraram-se os nossos castiçais, esfacelaram-se as taças de cristais, os antigos achados de amor, o velho tratado de respeito, foi-se, esvaiu-se meio ao insólito desconhecer e ignorar que habitou, povoou o universo de nós dois.
Previ, que partiria, cataria a pouca dignidade que restava e me iria de ti.
Tudo por mim vaticinado. Tracei uma partida.
Uma ida sem volta e sem recados. Um desaparecer sem endereços, telefones mudos. Coração que pede, roga liberdade.
Amanheceria, madrugada, seria um único abrir e fechar de porta. O último.
A redenção.
Prognóstico errado.
Na madrugada um ruidoso estampido fere de morte o silêncio. Acorda a surdez interior.
Como te antecipaste ao meu intento de fuga? Sempre senti que entre nós haviam apostas veladas.
Surpreendes-me, a maior de todas as surpresas. Saíste na frente e com folga.
Uma fuga sem precedentes e realmente sem volta.
Tu te foste antes de mim.
E quase igual o planejado. Sem deixar qualquer bilhete. Em sepulcral silêncio.

Confesso aturdida, por essa eu juro, não esperava...

*****

Este texto faz parte do Exercício Criativo - Por Esta Eu Não Esperava.
Saiba mais, conheça os outros textos: http://encantodasletras.50webs.com/naoesperava.htm

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

haicai 193



Haicai 193

Céu e rio misturado
Um único tom de cinzas
Pintura nublada.

Haicai 192



Haicai 192

Canto de águas densas
Entrecortado de rios
Horizonte ao longe.

Haicai 191





Haicai 191

Oceano na baia
Marés que se avolumam
Líquido Pará.

Haicai 190



Haicai 190
Barcos qual papel
No rio as águas serpenteiam
Ao sabor do tempo.

Haicai 189



Haicai 189
Balouçar das folhas
Mangueiras dançam ao vento
Chuvas de Belém.

Haicai 188


Haicai 188
Ver no céu um negrume
A tarde torna-se noite
Desabar em chuvas.

Tua - FIBgrama ( Em " T")



Tua


Tez
Tão terna
Transluzente
Tácito tocar
Trilhar tempestuoso terreno.

Abraço Amigo - Duplo Acrostrix





Abraço

Abrir-se ao alentar
BRAços buscando brandura.
COntar com caloroso coração.


Amigo

Amar sem exigir
MIstério do compreender
GOstar sem condições...

Abraço -TAUTOTRIX





Abraço

Abrir amplamente a alma
Acendendo airosa alegria
Aquece a amizade, acolhendo amor.

Sobre Girândolas - Uma resenha



Sobre Girândolas – uma breve resenha

Há um algo aqui no meu Pará que se abre em cores ao nosso imaginar, faz os outubros colorirem, diferindo...
Chamam-se Brinquedos de Miriti, populares no Círio de Nazaré, uma arte entalhada que alegra o nosso povo, um Círio particular pelas ruas de Belém, levando a obra e o legado do artesão mais perto da fé na Virgem Mãe.
Com os brinqueteiros, vem as Girândolas, onde os brinquedos são dependurados, e caminha o vendedor meio ao oceano de gente, no Círio ou Trasladação como seu mar de encantamento. Um cortejo de sonhos meio ao Círio de fé. Um Rio de imaginação desaguando meio ao mar de esperanças.
No decorrer desse clima, nesse entremeio surge uma Obra Literária chamada GIRÂNDOLAS, original desta terra, das entranhas de um escritor chamado Daniel da Rocha Leite, “de coração” filho de Abaetetuba, um digamos pólo da confecção, feitura dos brinquedos de Miriti, nascente da Arte ribeirinha com os braços de uma palmeira também conhecida como Buriti, ou isopor da Amazônia.
Daniel com seu primeiro romance, constrói ,tece uma história de amor, entrecortada por delicados sentimentos que permeiam a insondável alma humana, entremeando a obra com um vasto esclarecimento sobre a cultura desta terra, seu povo, lendas, tradições. Ele, o autor, pinta para nós telas de pura beleza Amazônica, e faz poesia, prosa poética que se destaca pela obra inteira. Um romance repleto de Poesia. Intenso quando refere às dificuldades, injustiças sociais que ocorrem aqui, como as grilagens de terra, a ofensa e o constrangimento sofrido pelo povo caboclo destas bandas ou quando conta a história da menina de Abaeté, presa injustificadamente em cela com detentos, violada. Nessa área do romance, a cena é cinza, emudecida com a nossa vergonha e indignação. Toda a realidade ribeirinha, num fazer poético e humano do autor é escrita nessa obra. Desde as rezas das benzedeiras, as parteiras da floresta, mitos como a Cobra boiúna, e a crueza dos escalpelamentos sofridos por mulheres nos motores dos barcos dos rios daqui. Tudo é rico, bem traçado, costurado com a sensibilidade e o conhecimento nativo do escritor.
GIRÂNDOLAS do Tobias e Maria, Lourdes, Dona Constança, Velho Tibúrcio, Dona Zefa, Dona Filomena fazem nossa imaginação passear no nosso mais profundo rio, as águas dos nossos sentimentos, mágoas, crenças e arrependimentos. Correm córregos, barquinhos quer vermelhos ou amarelos de muita fé e alento a cada acontecimento, e no infindo sofrer de Tobias, no seu escrever a própria culpa com o fito de obter o perdão, nós nos encontramos, bem como somos cegos aprendendo a tatear melhor o mundo com a mais humana Maria. Move, gira Girândolas e encharca de afeto nossos corações. É de fato uma linda obra.
Ao mesmo tempo em que é densa e real nas agruras tem um tom de fortes e indissolúveis afetos. Leveza.
Para se ler e conhecer. Apreciar. Sonhar, imaginar, para nós Amazônidas, Parauaras uma lição de querer bem o seu rincão, de respeitar o seu legado, de amor pelo seu chão.
Girândolas conquistou o Prêmio Samuel Wallace Mac-Dowell da Academia Paraense de Letras que possibilitou a publicação da obra.
Daniel Leite é um arrebatador de prêmios nato, e possui outras três obras também premiadas que são: Águas Imaginárias - Contos, Casa de farinha e outros mundos - Literatura Infanto Juvenil e Invisibilidades - Contos.

Certamente ao findar a leitura de Girândolas, há que se concluir concordar como autor:
“Amar, ainda, é um verbo possível”.

sábado, 21 de novembro de 2009

Tanca 81




Tanca 81

Mais um dia acordando.
Lá vem o Sol despertando.
Abrem-se as cortinas.

Abrir-se para a beleza.
Para a vida, para o amor.

Tanca 80



Tanca 80

Brisa, orvalhada.
Madrugada silenciosa.
Amores acontecendo.

Luar invadindo janelas.
Estrelas caindo do céu.

Tanca 79




Tanca 79

Negrume da noite
Chegam estrelas faiscantes
Enfeitam o céu.

Misteriosa sedução.
Noite, derrama paixão.

Tanca 78




Tanca 78

Encontro perfeito
O mar na lua faz carícia
Resta um lindo prata.

Cena completa, perfeita.
Presente aos apaixonados.

Tanca 77




Tanca 77

De tarde, arrebol.
Deita-se o sol em descanso.
Nos braços do Rio.

Ao dormir pensa na Lua.
Sonhos, encontro possível.

Haicais 194 a 196- adicionados de Tautograma




Haicai 194

Misterioso mar
Movimentos marcantes
Musicalidade.


Haicai 195

Surgindo surpresas.
Sol supõe sabedoria.
Sorrisos surpreendem.

Haicai 196

Luz Lua levitando
Leve, lânguida luzindo.
Lindamente livre.


# Haicais, experimentando a forma poética Tautograma, neste caso Haicais tradicionais seguindo as sílabas poéticas 5-7-5, mas com todas as palavras iniciadas com a mesma letra a partir dos temas Mar, Sol e Lua.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Dezembro vindo.....

Daisypath Anniversary tickers
Monarch Butterfly 2

Escrevo para.........

Quando escrevo exorcizo fantasmas, é meio abstração e também minha realidade se despindo.Sou eu me confessando a mi mesma.

Um Poetrix ...verdinho......


Escrevo para....

Escrevo para por no mundo pequenas ânsias, escrevo para aportar desejos aflitos, escrevo para me salvar, é como Jogar as âncoras, o barco ora vai ao sabor das ondas, ora é a deriva....
Escrevo para acariciar as suas almas,e ser tocada por seus olhos impressos de brilho!
escrevo para Gozar,Flutuar, ser e merecer, Escrevo para seus delírios, seu deliciar!
Escrevo para vocês,
Agradeço seus olhos em mim, na minha ruptura poética!
Escrevo!

Muito grata por me sorverem as letras!
A todos que aqui passarem seus olhos, mentes e corações!
Rose

Sobrepondo Sonhos.....