Marcadores

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Reflexão



Mais uma brincadeira literária virtual, muito gostosa, na qual me inseri: Blogagem Coletiva proposta pelas meninas: Mari e Silvana!
Aceito o desafio, postarei a cada sexta, no meu Blog e nas páginas delas, sendo a cada sexta, uma nova imagem (Por elas proposta) e 140 caracteres.



Uma Imagem, 140 caracteres BC nr. 96 nos blog de  Silvana




Refletir valores humanos, o quão parece banal a vida, o respeito a ela. Refletir, repercutir a falta de amor, e toda maldade que advém dela.

sexta-feira, 20 de maio de 2016

O que é....


           



O que é ...

E o que é essa chama,
Que por vezes inflama
E teima em não apagar?
É queimar urgente,
Convite indecente,
Luz incandescente,
É como um clamar.


É o que esse desejo?
Vulnerável,
Louco por beijo,
 É incêndio,
É delirar...
É agonia, sangria,
Querer incessante,
Do bem-querer distante,
É mil vezes, te sentir só de pensar...



E este turbilhão que se derrama,
Este fixo pensar,
Que parece insano,
Improcedente,
Corpo ardente,
Boca deserta,
O que será?



Longe da realidade que devora,
Do cotidiano que apavora,
Da verdade,
Do quase impossível sustentar,
Este querer se firma,
Sem qualquer sustentação,
Apenas no sonho, no suspeitar...



É como se não soubesse,
Ou então nem se importasse,
Com o impossibilitar,
Pois que para ele é possível,
Em sonho e realidade,
Que o teu e o meu caminho,
Mais adiante, não tanto,
Venha de novo cruzar...



Mas voltando a questão
O que isso afinal?
Desmedido querer?
Incontrolável paixão?
Ou amor de perdição?
Que descarrilha coração,
Rouba a paz, concentração,
É o que esse desacorçoar?



Quem souber que me diga,
Pois só de em ti pensar,
Já me falta todo o ar,
Respiro sem respirar,
Vejo-te em todo lugar,
Por dentro e fora de mim,
No fundo do meu olhar...



Você talvez não perceba
Ou saiba dimensionar,
Mas aconteceu de certeza,
Veio para me mudar,
Sacudir e revirar,
Tirar do prumo,
Roubar a calma,
E outros caminhos mostrar...



E quem sabe, outra forma de amor/amar?






 

Asas a imaginação



Mais uma brincadeira literária virtual na qual me inseri: Blogagem Coletiva proposta pelas meninas: Mari e Silvana!
Aceito o desafio, postarei a cada sexta, no meu Blog e nas páginas delas, sendo a cada sexta, uma nova imagem (Por elas proposta) e 140 caracteres.





Uma Imagem, 140 caracteres BC nr. 95 nos blog de  Silvana







Asas a imaginação...

        Não é só “dar asas” a imaginação, mas vislumbrar, alcançar o tamanho do seu sonho. Compreender, se apoderar e por fim realiza-los sem medos!








segunda-feira, 16 de maio de 2016

Segredos do coração





S
egredos do coração
         Entre máquinas, da mais avançada tecnologia, o homem pode entre mil fórmulas, buscar curas e descobertas, entretanto, não saberá jamais as misteriosas razões que só cabem ao coração.





The first love




T
he first love
 
                O amor, esse arrebatar intenso, que nos joga para fora do sossego, chega com leveza, pela primeira vez, para que o amemos, sem agonia ou espanto, e aprendamos que enquanto amor, seja quando for, ele sempre será bom!






     

Calor e aquecimento





Calor e aquecimento

         Queria ter teu coração, se não o tenho me aqueço com a ilusão que desenho naquele que sorverei forte, nem tão amargo, pois o amor, de alguma forma, adoçará...





Como que encantamento

Mais um Desafio proposto por Margarida Fonseca no Blog 77 palavras



Desafio Rádio Sim nº 37
Num texto de, claro, 77 palavras, iremos usar estes 3 momentos em torno de um lápis (aparecem por ordem, mas as frases podem ser diferentes):
1) O lápis rola para o chão.      2) Alguém o apanha e guarda.      3) Aquele lápis aparece mais tarde.
O que vos surge?



                                    

                        



Como que encantamento
          Pensando, rabisco pequenas frases, aparentemente desconexas no papel de pão, e como que em transe, largo sem sentir o velho lápis, que rola suavemente próximo a lagoa.
         Pareceu muito tempo, até que voltasse do flutuar... O papel voara longe, ao vento, o lápis, esse desaparecera. Depois de sorver toda água que nem sei de onde surgiu e enxugar o rosto que suava feito rio sem rumo, compreendi.
         Você sorrindo, despretensiosamente me estendia à mão, e o lápis.
 


 

                               



 



Leia mais sobre essa deliciosa brincadeira literária no blog de Margarida Fonseca Santos:
 
 
http://77palavras.blogspot.com.br/



E os meus exercícios no Blog 77 palavras
http://77palavras.blogspot.com.br/search?q=Roseane+Ferreira
 

Lá no passado




L
á no passado
      E aquele lugar que outrora fora a esperança do mundo, das curas, do preservar e prorrogar a vida, agora restava uma emblemática lembrança, duas vidas, carecendo de um contato para quem sabe uma sobrevida...





                    

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Andreza dos Sonhos

      



Andreza dos Sonhos
 
 
         - Não. Não me considero uma mulher sozinha. Digo com toda certeza, é aquele que mantém cabeça e coração esvaziado. Isso sim, da lugar a um emaranhado de teias, isso é tecer a rede da solidão.
     - E eu tenho cá minhas companhias.


      
Essa é Andreza, moça que apanha latas para reciclar pelas ruas de Nazaré da Paciência, um distante povoado na esquecida cidade de Agasalhos da Alma. Andreza aparenta uma estranha solidão de quem não se sente só. Vive em uma casinha no final da Rua Trevo, e aparenta esse ar de quem pisa no chão sem pisar.
         Não raro pessoas curiosas a seguem a certa distância, para escutar esse diálogo que ela trava em voz alta com ninguém aparente, com as latinhas talvez, quiçá consigo mesma...
        Alguns já apostaram em assombrações, fantasmas, outros dizem ser uma tal maldição, os mais sábios dizem ser uma tal de Esquizofrenia. O médico lá da cidade já veio, examinou, pensou, e ensimesmado disse lá no café do seu Tonho:

         - Essa dona é mais certa que todos nós...


        
  Vá saber.
         O certo é que ela fala só, fala com o tempo, com o invisível. Mas se quer ouvir umas boas lições, é só chegar perto, e de certo um recado indireto vai caber para você.
         Dizem os fofoqueiros da cidade que dona Andreza, no final do dia, depois do trabalho, acende um fogão de lenha, passa um café, e com a caneca cheia e escaldante, senta no batente e se põe a olhar o tempo.
         Quando é sol de fim de tarde, vai falando histórias de desenhos que imagina pelo céu, e dizem, desenha até quando nem nuvens tem...
        Ai faz desenhos todos em azul, que se transformam em um breve alaranjar, e viram girassóis no arrebol.
         E se chove?
         Bom, ai tem mais assunto e mais desenhos, feitos em nuvens cinza e pesadas, e quando a chuva cai, são desenhos de cristais que faz...
         E sempre volta a repetir para o invisível:


        
- Eu só?
     - Nunquinha!!!
     - Ando coma cabeça cheia de coisas que até derrama, e o coração aquecido, a desenhar pensamentos e sonhos...
     - Eu desenho sonhos, depois sonho, depois acordo, e faço novos desenhos, e novos sonhos...
     - Isso aquece.
     - Ainda duvida?


 

 



 Contos Nublares uma criação de Od L Aremse M Peterson
http://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/4228439





                    

O Farol e as Estrelas



Mais uma brincadeira na qual me inseri: Blogagem Coletiva proposta pelas meninas: Mari e Silvana!
Aceito o desafio, postarei a cada sexta, no meu Blog e nas páginas delas, sendo a cada sexta, uma nova imagem (Por elas proposta) e 140 caracteres.





Uma Imagem, 140 caracteres BC nr.138 nos blog de  Mari









        

O Farol e as Estrelas

         O Farol a luz que ilumina os caminhos, as estrelas, essas certamente significam o infinito clarear dos sonhos... Luz para o que há porvir...











Dezembro vindo.....

Daisypath Anniversary tickers
Monarch Butterfly 2

Escrevo para.........

Quando escrevo exorcizo fantasmas, é meio abstração e também minha realidade se despindo.Sou eu me confessando a mi mesma.

Um Poetrix ...verdinho......


Escrevo para....

Escrevo para por no mundo pequenas ânsias, escrevo para aportar desejos aflitos, escrevo para me salvar, é como Jogar as âncoras, o barco ora vai ao sabor das ondas, ora é a deriva....
Escrevo para acariciar as suas almas,e ser tocada por seus olhos impressos de brilho!
escrevo para Gozar,Flutuar, ser e merecer, Escrevo para seus delírios, seu deliciar!
Escrevo para vocês,
Agradeço seus olhos em mim, na minha ruptura poética!
Escrevo!

Muito grata por me sorverem as letras!
A todos que aqui passarem seus olhos, mentes e corações!
Rose

Sobrepondo Sonhos.....