Marcadores

quarta-feira, 23 de julho de 2014

O amor é contagioso - Miniconto




 O amor é contagioso


Risos é fácil para ele arrancar;

Às vezes as crianças vibram, batendo palmas.

É João, o estudante de Medicina. Uma pessoa comum.

Nas horas em que não estuda, e nem está no Internato, é Doutor da Alegria.

Cotidiano: Amenizar dores. Do corpo e da Alma.




Cotidiano- miniconto com tautograma em "C"




 Cotidiano

Começamos contando conversas, comentando causos. Culminaram carinhos concretos, conquista compartida. Contentamento.
Completos, criamos cada cantinho. Convívio crescente, casamento, casa, carro, crianças...
Cotidiano conjunto.
Compusemos canções. Cores concebemos.

Convivência corroída, comprometida, caos conjugal...
Comunhão cessada.
Como certeza, carrego conflitos, cartas cortadas, calores contestados, calvário compreendido, corações corroídos, cama clamando chama, colheita, compartilha.

Consequências:
Calafrios,
Cobertas curtas...

Estações - Miniconto

Estações - Miniconto

Suspirava a cada troca de estação.
Depois do frio, quem sabe as flores trariam ares amorosos, outro suspirar e a espera do calor que a arrebataria qual um vulcão.  O transitar do tempo remete as folhas que caem, ao vento e ao alarde: È eternamente frio, e assim permanecerá seu coração.
 



                              




                                                                                   
   

Trapaças do destino - Nanoconto



Trapaças do destino - Microconto

 

Eram perfeitos um para o outro. Pena. Ele chegara segundos após sua definitiva partida.




 

Trilhas que se perderam - Nanoconto





  Trilhas que se perderam



  Cruzaram juntos desertos, os mesmos que hoje os fazem sós.







Traídos pelo ponto de vista - Microconto





Traídos pelo ponto de vista - Microconto



Para ele foram apenas parênteses. Para ela insuportáveis lacunas, finalmente preenchidas com um justo ponto final.







                                                                                                                                                                                                  

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Poesie Zerex - Que o dia termine bem...

Poesie Zerex - Que o dia termine bem...

Anseio que dentro revira
Querer saber do que vem
Segredo que é ir mais além
Mistérios que o verso inspira
e indagar: ser flecha ou mira?
Que venha o que o simples tem...


Hoje o que o meu coração aspira

é que o dia termine bem...











Um estilo criado por Od L Aremse M Peterson
http://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/4856058





sexta-feira, 11 de julho de 2014

Casal moderno - Microconto

Casal moderno - Microconto

 
Eram assim: cada qual tinha o seu próprio: vinho, discos, bibliotecas, telefone, computador, carro, banheiro, quarto, cachorro, personal, modernos até certo ponto, apenas o amante era partilhado...


                   


                             
 

O inusitado -Miniconto

O inusitado - Nanoconto

Com seus pares combinaram um vinho, queijos e diversões. Só o final não foi combinado. Trocas e descobertas.


 


                        




                                                                               

Amor demais - Nanoconto





Amor demais - Nanoconto

Era tanto amor, tanto amor que de tanto ser não coube em si. E transbordando, afogou-se...



                             





                                             

In_Previsão - nanoconto

Microconto

Im_previsão
 
Já não eram mais como antes. Apenas suplícios, que se tornaram indícios, e logo se desenhara a cruel realidade. Sequer um bilhete deixaram.



 










Infindos tons de solidão - Microconto

Infindos tons de solidão - Microconto
 
Seus olhos eram plenos de escuridão, a alma sobreposta de cinza, como se fora uma noite que decidiu não mais ter fim.







Especulações - Nanoconto





Especulações – Nanoconto


Não, não era tristeza o que sentia apenas o sol havia faltado, há alguns dias, sem dar qualquer explicação...









Inspiração: Poesia minimalista da poetisa Ângela Gurgel, leia:
http://www.recantodasletras.com.br/poesias/4146387
 

Pequenas gafes da vida - Microconto

Pequenas gafes da vida - Microconto

Na profissão escrevia sua arte fazendo remakes de grandes filmes, ela, restauradora-conservadora recuperava as mais minuciosas e difíceis obras de arte. No relicário da vida amorosa nenhum acervo pode ser restaurado, refeito ou reeditado.
















Invólucro - nanoconto





Invólucro - Nanoconto
 
Exibia rios de sobriedade, nos bastidores, alimentava os sonhos afogando-se em êxtases e tequilas.







Outono em nós -miniconto




Outono em nós

Acordou meio a penumbra, incomodava-o certo frio, e o vento que ruidosamente a janela batia, demorara a perceber, mas seu coração um tanto entristecido o avisou: lá fora, também é outono!



Chuva e libertação - Miniconto

Chuva e libertação - Miniconto
 
O tema era propício. Chuvas ao entardecer. Não que fosse fácil, mas era simples, já que todo final de tarde, pelo vidro que a excluía da vida lá fora, assistia complacente a chuva mistura-se as águas da baia. Haveria de conseguir chegar mais perto e experimentar a sensação que só sabia da imaginação. Aquele fora seu último pensar.  Na sequência do silêncio, apenas sirenes e um grande e ruidoso tumulto formado.

                                   






                                                           
         

Ousadia - miniconto




Ousadia

Avançou o sinal, nada de pensar era permitido, apenas sentir, desenfreadamente. O resultado: encarcerar-se com a própria liberdade.
 



Cruzamento inevitavel - Nanoconto

Cruzamento inevitável
Dia desses bateu de frente com a solidão, não fora um simples baque, mas um acidente, com vítima fatal...



Poema que cai - Nanoconto



Poema que cai
Era uma vez poemeto, cansou de ser três e  em 5,7, 5 ...Hai_cai! Num instante virou tela da natureza.



minucias fragmentadas

Minúcias fragmentadas


Nasceu pequeno, doce Haicai, desabrochando foi se alegrando, preferiu então com humor ser Senryu, assim segui, a vida fluiu, então solfejando conforme o caminho e conciso, mínimo: , falante, livre, sozinho. Rolaram os dados, fez pares, Duplix e Triplix até, ficou moderno e partilhou a vida com Tautos e Acrostrix e por assim dizer, esbaldou-se nas secretas noites dos Sensualtrix e pecou feliz com os Erotrix. Continua conciso, quer ser menos, dizer mais e agora amadurece uma relação com ares misteriosos, com um tal Nanoconto. Mas confessa seu amor inabalável e sempre voltará aos braços, ou aos dedos, ou aos rabiscos dos Trix!








     

Nonsense - microconto



Nonsense (EC)

Consummatum est. O extenuante processo chegara ao fim. Ananis fora tomada pelo sono profundo e todos, exaustos ao longo de cinco dias de intensa agonia, se foram. O sol já era visto. A possessão acabara. O que viria depois, ninguém jamais imaginaria. A madre, madre?
Sim, a madre, aquela que adormeceu, acordou padre. Padre Ananis. Simples assim (ou não)...



 





*****

Este texto faz parte do Exercício Criativo - O Exorcismo na Madre
Saiba mais, conheça os outros textos:

http://encantodasletras.50webs.oexorcismodamadre.htm

Incógnita - Miniconto

Incógnita
 
 Com efeito, cada caminho foi traçado, embora a tragédia anunciada nunca fora compreendida. Cartas em branco por quê?


                              






Esperança - nanoconto




Esperança
 
E passado pelo rosto uma porção de sonhos, tirou dos ombros o pó do cansaço e seguiu rumo ao que quase fora impossível...








Inspirado na frase:
"Devia era, logo de manhã, passar um sonho pelo rosto. É isso que impede o tempo e atrasa a ruga". Mia Couto

Dezembro vindo.....

Daisypath Anniversary tickers
Monarch Butterfly 2

Escrevo para.........

Quando escrevo exorcizo fantasmas, é meio abstração e também minha realidade se despindo.Sou eu me confessando a mi mesma.

Um Poetrix ...verdinho......


Escrevo para....

Escrevo para por no mundo pequenas ânsias, escrevo para aportar desejos aflitos, escrevo para me salvar, é como Jogar as âncoras, o barco ora vai ao sabor das ondas, ora é a deriva....
Escrevo para acariciar as suas almas,e ser tocada por seus olhos impressos de brilho!
escrevo para Gozar,Flutuar, ser e merecer, Escrevo para seus delírios, seu deliciar!
Escrevo para vocês,
Agradeço seus olhos em mim, na minha ruptura poética!
Escrevo!

Muito grata por me sorverem as letras!
A todos que aqui passarem seus olhos, mentes e corações!
Rose

Sobrepondo Sonhos.....