Marcadores

domingo, 15 de novembro de 2009

Pressuposto de saudade






Pressuposto de saudade


Uma janela. Horas entreaberta, por vezes lacre de negrume. Um ar de inquietante céu quase azulado,um cinza que chega e demove o lírico do azul. Um julho de verão, coberto pelos chuvosos dias de abril, março talvez.
O vento brinca com as nuvens, carrega-as de cá pra lá. De lá pra cá. Nuvens de algodão ao sabor dos ventos. A vida bulindo com os sentimentos, de cá pra lá. Quem sabe de ponta cabeça. Caçoando...
Dias vãos.
Preenchidos de vãos, nesgas, gretas, vácuos...

Do lado oposto da janela, nem mar nem horizonte. Só uma tênue pintura em gris.
Grito que não tem voz, fala que afugenta as palavras. Silêncio que ecoa. Aqui e lá fora...
Tem um relógio que gira incansável, tem um olhar que faz inverso o girar. Sem parcimônias. Retorno inclemente das horas, de choro, de madrugadas repletas de espinhos, de olhos secos, de olhar nublado...
O infindar das horas. Para frente e para trás.
Horas que acinzentam o anil do olhar...
Esfacelar das horas...

Coração que bate sem retumbar bate mudo, para não acordar a dor, onde cada latejo é um lamento, cada som um reverberar.
Agarrar-se no que é agora, para não perder-se na disforme ventania. Segurar-se no único esteio capaz de vencer o vendaval. Crer, nas letras como cura para o escândalo a dor que causa a clausura. Socorrer-se nas palavras aventadas de nexo. Agarrar-se ao significado da perene certeza que exorta o sentido da falta, transcreve para assim saber-se lucidez.
Desenhar as linhas quer puídas ou apagadas da possível prova do que é dar sentido a solidão.
Prender-se a névoa da clareza,
Um fio apenas, detém o despencar livre no precipício...


Tem em um canto empoeirado, suposto de vazio, uma suposição de existir,
Na alma errônea e dilapidada, obra inacabada, tinta seca no tinteiro, tem um ocupar,
Preencher, com cinzas, lágrimas, preencher mesmo com o vácuo do vago aberto,
Só preencher...
Suposição de preenchimento,
Um canto qualquer, um cantar qualquer,
Um lamento,
Um cingir a aflição,
Um espaço alheio de ocupação,
Uma ocupação somente,
Uma invasão...
Um apenas ficar,
Permanecer...
Pressupor o impresumível,
Pressuposto,
Pressuposto de saudade...

Nenhum comentário:

Dezembro vindo.....

Daisypath Anniversary tickers
Monarch Butterfly 2

Escrevo para.........

Quando escrevo exorcizo fantasmas, é meio abstração e também minha realidade se despindo.Sou eu me confessando a mi mesma.

Um Poetrix ...verdinho......


Escrevo para....

Escrevo para por no mundo pequenas ânsias, escrevo para aportar desejos aflitos, escrevo para me salvar, é como Jogar as âncoras, o barco ora vai ao sabor das ondas, ora é a deriva....
Escrevo para acariciar as suas almas,e ser tocada por seus olhos impressos de brilho!
escrevo para Gozar,Flutuar, ser e merecer, Escrevo para seus delírios, seu deliciar!
Escrevo para vocês,
Agradeço seus olhos em mim, na minha ruptura poética!
Escrevo!

Muito grata por me sorverem as letras!
A todos que aqui passarem seus olhos, mentes e corações!
Rose

Sobrepondo Sonhos.....