Marcadores

sábado, 3 de outubro de 2009

Duas faces da moeda...




Duas faces da moeda


Ter na mão as rédeas. Dominar o animal, fazer com que ele faça exatamente qual sua vontade. Preponderar sobre o irracional. Codificar o entendimento. O que fora fascínio agora é comandado pelo homem.
Ter o devido controle da situação.
Conduzir as relações. Ai embarcamos num outro tipo de domínio.
Outro comando.
A condução dos sentimentos.
Nada de nau a deriva. Barco sem rumo. Nada de sabor das ondas. Pilotar com responsa. Quer uma bicicleta quer um Fórmula UM. O perigo do desmando, não comando, pode acarretar danos irreparáveis aos tripulantes e/ou a embarcação.
Guiar. Guindar, mãos firmes. Pensar reto. Olhos e mente atentos sobremaneira.
Em alguma parte do tão suspeito coração e não de todas as pessoas, não é regra, esse comando é difícil.
Na real, todo comando é mais delicado e frágil quando o condutor é o tal coração.
Em alguns (ou muitos), esses sentimentos roubam a clareza. Destituem a inteligência amordaçam e algemam a razoabilidade. Algumas pessoas tombam, outras vacilam e algumas situações que se configurariam intensas e perturbadoras só não ocorrem, vão a termo, porque alguém chamou para si a dona razão e a colocou de guarda. Alerta geral!
Por isso e por essas pessoas há barcos que navegam na mais absoluta calmaria, tráfego de equilíbrio, o que faz a tranqüilidade do seu comandante. Este, nunca singrará mares revoltos, dessa forma protege-se do vento das intempéries.
Estes são os casos dos que pilotam atentos para qualquer provável incidente (acidente) de percurso, e assim eliminam as chances de danos, avarias. Não admitem interposições, nada ou ninguém que transponha seus seguros caminhos.
Este é um lado dessa moeda.
O outro dá com sentimentos incompletos. Sentimentos de um lado só.
Assim é com os controversos sentimentos que só avassalam quando em duo. Só acumulam, avolumam em intensidade própria das paixões se a dois forem vividos.
Só nos corrompem a lucidez e nos fazem pessoas feitas de plenitude, se a dois.
Como na briga, o amor inconteste, precisa de par na mesma sintonia. Pisando o mesmo chão feito de nuvens. Não perdura um amor que é só. Agoniza logo ao nascer.É precocemente abortado.Resta apenas a saudade. De um amor que nem existiu. A falta inexplicável do que nem se sabe ao certo. Coisas do particular, íntimo de cada coração.

Dois lados da única moeda.
A face da segurança que quer e vai permanecer.
A outra face, do sentimento que não encontra lugar no existir.

Nenhum comentário:

Dezembro vindo.....

Daisypath Anniversary tickers
Monarch Butterfly 2

Escrevo para.........

Quando escrevo exorcizo fantasmas, é meio abstração e também minha realidade se despindo.Sou eu me confessando a mi mesma.

Um Poetrix ...verdinho......


Escrevo para....

Escrevo para por no mundo pequenas ânsias, escrevo para aportar desejos aflitos, escrevo para me salvar, é como Jogar as âncoras, o barco ora vai ao sabor das ondas, ora é a deriva....
Escrevo para acariciar as suas almas,e ser tocada por seus olhos impressos de brilho!
escrevo para Gozar,Flutuar, ser e merecer, Escrevo para seus delírios, seu deliciar!
Escrevo para vocês,
Agradeço seus olhos em mim, na minha ruptura poética!
Escrevo!

Muito grata por me sorverem as letras!
A todos que aqui passarem seus olhos, mentes e corações!
Rose

Sobrepondo Sonhos.....