Marcadores

terça-feira, 8 de junho de 2010

Ilimitado amor - EC



Ilimitado amor (EC)

Nunca acreditei,
Que o meu amar cerceasse o teu ir e vir,
Cria que o amor era isento enquanto sentimento e jamais partilharia espaço com o acorrentar.
Amava-te afora as regras, convenções e meu completo ilimitar delimitava teu respirar.
Não sabia do lado adverso do querer, do avesso do dedicar.
Não permitia paralelos que não amor pelo amor, nada que supostamente se opusesse era acatado. No meu querer liberdade se opunha a isso.
Não compreendia,
Do veneno que o amor produz, da receita errada, do que adocica e adoece, do que te lacerava e sangrava em mim.
Nada era precisão, tudo era inexato,
No quesito amar era eu sem preâmbulos, parênteses, nem chaves, nem reticências...


O amor que eu lançava ao vento roubava o teu ar. No céu imenso e azul, um veio de cinza vazava no teu existir.
Minha pureza poluía veementemente a tua. Eu, qual vírus, te contaminava.
Qual cega não via. Absorta não percebia.
Olhos cingidos só rumavam a ti. Não percebiam o escuro que refletia a tua volta.
Eu, letal para ti.
O amor por ti, letal para o próprio amor.


O amor se degenerou,
Corrompido, se reabsorveu,
Tornou-se dor, vício, ferida em constante fluxo.
Eu, falência de nós.
Nada nos impediu.
O amor ao precipício nos impeliu.
E no final tudo que eu ansiava era um antídoto para esse sentir.
Queria ao menos um contraponto, que não houvesse entrega...
Uma solução restauradora,
Uma corda, um resgate,
Um resistir,
Um impedimento que fosse,
Uma lei que interpusesse limites,
Um socorrer.
Uma vírgula, um ponto a seguir.
Aquilo que finalmente nos libertaria.
Uma raia, um balizar.


A remissão.
Aquilo que nos salvaguardaria desse ápice final.
A regra que inexistiu,
E que nos quedou tão sós,
Solenemente sós.
Por conta do amor.
Do risco irreparável do amor.
Do daninho do amor.


Texto II
Poetrix LEGAIS

AMAR

Se bom,
Alegria igual,
Sem Impedimento Legal.


SEXO

Fazer
Com amor
Nada impede o querer.


COMER

Equilibradamente
Tudo pode
Impedir, desnecessário!


FELICIDADE

Paz e bem
Amor convém
Ilegal Impedir!


Texto III
Impedimentos necessários (TROVAS)

Dilapidando, enganar
Esperteza sem igual
A Lei é preciso aplicar
Impedimento legal.

Em todo canto vergonha
Desmandos incalculáveis
Mister impedir se imponha
Limite aos “ilimitáveis”!

Viver em paz, bem, não mal
Conforme a limitação
Consciência ato primordial
Sem impedimento então!




Este texto faz parte do Exercício Criativo - Impedimentos Legais
> Saiba mais, conheça os outros textos:
> http://encantodasletras.50webs.com/impedimentos.htm

Nenhum comentário:

Dezembro vindo.....

Daisypath Anniversary tickers
Monarch Butterfly 2

Escrevo para.........

Quando escrevo exorcizo fantasmas, é meio abstração e também minha realidade se despindo.Sou eu me confessando a mi mesma.

Um Poetrix ...verdinho......


Escrevo para....

Escrevo para por no mundo pequenas ânsias, escrevo para aportar desejos aflitos, escrevo para me salvar, é como Jogar as âncoras, o barco ora vai ao sabor das ondas, ora é a deriva....
Escrevo para acariciar as suas almas,e ser tocada por seus olhos impressos de brilho!
escrevo para Gozar,Flutuar, ser e merecer, Escrevo para seus delírios, seu deliciar!
Escrevo para vocês,
Agradeço seus olhos em mim, na minha ruptura poética!
Escrevo!

Muito grata por me sorverem as letras!
A todos que aqui passarem seus olhos, mentes e corações!
Rose

Sobrepondo Sonhos.....